Propaganda Superior

Propaganda Superior
Inscreva-se em nosso canal

domingo, 31 de janeiro de 2021

Publicado primeiro mapeamento ilustrado do artesanato maranhense

“A riqueza do nosso artesanato se expressa de forma diferente em cada região do Maranhão.  Por isso é tão importante possuirmos um diagnóstico que servirá como guia para as nossas próximas ações de incentivo ao turismo, à cultura e à produção”, disse o secretário estadual de Turismo, Catulé Júnior.
 
Realizado pela Secretaria de Estado do Turismo (Setur), por meio do Observatório do Turismo do Maranhão, o mapeamento do artesanato maranhense analisa os 5 últimos anos desse setor. De 2015 a 2020, cresceu em 377% o número de artesãos com cadastros ativos no SICAB, plataforma que permite o cadastramento único dos artesãos do Programa do Artesanato Brasileiro (PAB). Em entrevista, o secretário Catulé Júnior destacou os principais pontos a respeito desse estudo inédito.

Qual a importância deste mapeamento para o estado do Maranhão?

Desde que assumi o comando da secretaria priorizei os diagnósticos e pesquisas que pudessem direcionar as nossas ações de forma mais assertiva. O Maranhão tem um potencial incrível em diversas áreas que precisamos utilizar melhor. Esse diagnóstico da identidade do artesanato maranhense pautará as ações de estratégias de políticas públicas voltadas para o setor. Nele, há o detalhamento das atividades artesanais nos polos de: São Luís, Delta das Américas, Chapada das Mesas, Lençóis Maranhenses, Munim, Floresta dos Guarás, Amazônia Maranhense, Cocais, Serras Guajajaras, Timbira e Kanela e demais regiões. 

O que o mapeamento mostra?

Nós conseguimos ter uma radiografia do que é o artesanato no Maranhão, isso evoluiu na questão do próprio cadastramento do artesão. Muitos não eram cadastrados no SICAB e em 2020, já acumulamos praticamente 2 mil cadastros ativos em 10 polos turísticos. Esse é um número muito expressivo e que representa um trabalho importante na valorização dos artesãos e da nossa arte regional.

Como foi feito o mapeamento?

Esse mapeamento foi feito por online e também com visitas aos polos, com equipes da secretaria, com detalhamento do tipo de artesanato produzido na região, técnicas mais utilizadas, matérias-primas mais utilizadas e principais produtos.   

Que outras ações foram implementadas para incentivar a economia criativa nesse período de pandemia?

Um trabalho muito importando foi o lançamento de cinco editais durante a pandemia. Sabemos que foram e que tem sido meses difíceis para todos, inclusive para os artistas, artesãos, produtores, comerciantes. Publicamos editais voltados ao artesanato, aos guias de turismo, ao setor de restaurantes, hospedagem. Ao todo foram investidos R$ 216 mil reais nesses editais que fizeram a diferença no início da pandemia. Além disso, distribuímos cestas básicas para profissionais de atividades de maior vulnerabilidade como guias de passeio, condutores, pilotos de lancha nos municípios que compõe os polos São Luís e Lençóis Maranhense. Por meio da lei Aldir Blanc, compramos centenas de peças dos artesãos para incentivar, aquecer a economia e ajudá-los nesse momento de grave crise sanitária, social e econômica. As peças que compramos deles serão utilizadas em ações promocionais, feiras e ações de boas-vindas da secretaria.

As informações são do Jornal Pequeno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog. Os comentários anônimos não serão liberados. Envie sugestões e informações para: blogdoludwigalmeida@gmail.com