Propaganda Superior

domingo, 7 de abril de 2019

Com poder na Esplanada, DEM atrai prefeitos e causa irritação

Quem não está gostando nada disso é o comando do MBD, o ex-presidente Sarney, está uma fera
Charge _ Caio Gomez CB D A Press
Enquanto o presidente Jair Bolsonaro conversa com os partidos em busca de apoio, o DEM aproveita a estrutura que já tem montada no Executivo para conquistar postos estratégicos em troca de recursos federais. Esta semana, o partido integrou aos seus quadros os prefeitos de Curitiba, Rafael Grecca, de Chapecó, Luciano Buligon, e o de Imperatriz, Assis Ramos, que vem do… MDB. Aí, o “bicho pegou”. O comando do MDB, leia-se o grupo do ex-presidente José Sarney, está uma fera. E essa briga é apenas o começo.

Assis não esconde o que o levou a trocar de partido. Nas redes sociais de emedebistas maranhenses, avisou que estava saindo da legenda e do grupo de WhastApp, com a seguinte mensagem “(…) Como governar Imperatriz sem a ajuda do governo federal? Antes, eu tinha dois senadores que me ajudavam muito, (Edison) Lobão e João Alberto, com isso a cidade não sentia tanto a falta de apoio do governo estadual. O DEM é um partido forte e independente, possui vários ministros, inclusive o da Saúde, nosso principal gargalo. Vocês acham que consegui os recursos para reformar o socorrinho de forma tão rápida como? Claro, através do ministro da Saúde, que é do DEM. Enfim, penso mesmo é na cidade”, escreveu.

Feitiço & feiticeiro
O chororô do MDB pelo fato de o DEM atrair seus prefeitos não preocupa o Democratas. Seus caciques consideram que, no passado, o MDB e outros cresceram cooptando o pessoal do DEM. O antigo PFL já teve 104 deputados. Hoje, o Democratas tem 30. E vai usar o que estiver ao seu alcance para a construção de um projeto político para o futuro. Ao que tudo indica, esse projeto está apenas começando.

Diferenças I
Quem acompanha os movimentos do presidente do Democratas, ACM Neto, em Brasília sabe que ele tem evitado reuniões com os comandantes dos demais partidos do Centrão (PP, PTB, PR, PSD, entre outros). A intenção é deixar bem claro que seu partido não vai entrar no apoio ao governo em troca de emendas ao Orçamento ou cargos no Poder Executivo. Comentário da coluna: não precisa, já os tem.

Diferenças II
Dos partidos chamados ontem para conversar com o presidente Jair Bolsonaro, apenas o DEM acenou com a perspectiva de fechar questão a respeito da reforma previdenciária. Os demais serão atraídos “no varejo”, ou seja, demonstram boa vontade para aprovar a nova Previdência, mas já avisaram que não vislumbram fechamento de questão. (Blog da Denise, Correio Brasiliense)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog. Os comentários anônimos não serão liberados. Envie sugestões e informações para: blogdoludwigalmeida@gmail.com