Assembleia Legislativa

terça-feira, 24 de abril de 2018

Vereador Anderson Pêgo sobre salários atrasados na prefeitura de Timon: “O prefeito não pagar porque não quer!”

O vereador colocou a culpa no atraso de salários dos servidores terceirizados da prefeitura de Timon no prefeito Luciano Leitoa. Sobre o suposto caso de espionagem e "fichamento" de adversários políticos ele disse que tudo "foi a mando do governador".
Segundo o líder da oposição, vereador Anderson Pêgo (PSDB), em discurso na Câmara Municipal nesta segunda-feira (23), o atraso no pagamento de salários dos servidores terceirizados da prefeitura de Timon que recebem por meio da Mega-On Soluções Ltda não pode ser justificado como divulgaram amplamente que a empresa estaria com problemas em certidões ou algo do tipo. "Colocaram a culpa na empresa Mega-On, que ela não paga os funcionários porque está devendo R$ 90 mil para a Fazenda, só se for para a fazenda do Luciano Leitoa. Porque a Certidão da Receita Federal vence dia 08 de maio, tá em dias! A Certidão do FGTS está ok! A Certidão da Secretaria de Fazenda do Estado está ok! A Certidão da Dívida Ativa está ok!”, disse.

"Aí tem uma história de que a empresa não paga os salários dos terceirizados porque está devendo R$ 90 mil. A empresa vai deixar de receber quase R$ 6 milhões porque está devendo R$ 90 mil? Isso é mentira minha gente! Vamos parar de enganar os trabalhadores terceirizados da prefeitura de Timon... O prefeito não pagar porque não quer!”, disparou o vereador Anderson Pêgo.

“Foi a mando do governador” 

Ex-militar do Maranhão, o vereador Anderson Pêgo ainda no seu discurso nesta segunda-feira tratou do caso com grande repercussão nacional que envolvendo o governo Flávio Dino no caso de suposta espionagem e "fichamento" de adversários políticos do comunista. "Eu fui militar e trabalhei no Comando Geral, não existe esse negócio de coronel fazer um papel sem que passe pelo Comando Geral e olhe que o cara é subcomandante do Estado Maior... É mentira do governo Flávio Dino dizer que um coronel sozinho fez um papel daquele, foi a mando do comandante geral, é claro! Foi a mando do governador, é claro! Não existe isso dentro da Polícia Militar, do cara fazer um documento daquele com aquele teor da cabeça dele e todos os dias tem reunião do Comando do Estado Maior... Não existe essa história de um coronel fazer uma coisa sem que seu superior hierárquico autorize, a não ser que a polícia mudou... Ele mandou investigar juiz, ele mandou investigar promotor, ele mandou investigar os agentes políticos que pudessem causar embaraços ao governo, em que estado democrático estamos vivendo?", frisou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião deste blog. Os comentários anônimos não serão liberados. Envie sugestões e informações para: blogdoludwigalmeida@gmail.com